quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Nuvem passageira




Eu jamais posso esperar
Que a mesma nuvem
Passe duas vezes por cima
De minha cabeça

Por isso mesmo na única vez
Que elea passar
Vou com ela
Pra não mais voltar

A vida se vive pra frente
Depois dela só a eternidade

CJJ

Sussurros no jardim






Vozes que invadirem o jardim
A soma do engano das palavras
A vaidade da manipulação
O sussurro do vento contrario

Ardentes chamas da decepção
A forte luz da mentira
Que cega o entendimento
E destrói as bases do discernimento

Vozes atrozes de pelúcia
Que esconde na doçura a astúcia
Escurecendo os olhos do coração
Derrubando os muros de proteção

Oh, Eva! Quanto descuido ao sagrado
Quando deixastes conselhos de lado
E abristes caminhos as vozes cortantes
Pensando ser a rebelião relevante

Sob as chuva acidas de vozes infames
Quebrastes os muros de teu coração
Fechando a vida para a vida
Abrindo a alma para a morte

As flores do jardim tanto lamentam
Buscastes a tua falsa liberdade
Perdestes a verdadeira felicidade
E fostes jogadas no relento do mundo

As doçuras das palavras de um suposto iluminado
Formaram o fel profundo de tua dor
E nesse mundo de fontes de lagrimas
Navega a tua nau até a agonia

Agora longe do jardim sagrado
O sussurro de palavras são tentações
Que carregam teus filhos ao inferno
Escravizando-os por toda a eternidade.

Porem a voz da semente prometida ecoa
Como estandarte que se levanta na batalha
Conquistando uma vitória que não falha
Resgatando aqueles que ouvem o brado

As civilizações estão atônitas olhando
Em uma saída alguns estão entrando
Enquanto o sussurro ainda assusta
O brado do Redentor ainda proclama

Apaguem-se os sussurros desse engano
Afoguem ele nas profundezas de um oceano
E deixe o Eterno se levantar em triunfo
Para estabelecer a restauração de todas as coisas.


CJJ

EM DEFESA DO PENTECOSTALISMO


Em defesa do Pentecostalismo


       
POR : ANDRÉ TADEU DE OLIVEIRA



Já li várias matérias a respeito do pentecostalismo. De artigos acadêmicos a textos publicados no mundo virtual, a oferta sobre o tema é vastíssima.
Porém, uma coisa me incomoda profundamente; o julgamento prévio, na maioria das vezes preconceituoso e irônico, a qual o importante fenômeno pentecostal é submetido.

É necessário dizer que não sou carismático, nunca tive uma experiência avivalista em minha vida religiosa. Sou membro de uma denominação reformada tradicional, porém não cessacionista, e pauto minha identidade teológica naquilo que posso denominar como “ reformada progressista”, fazendo uma leitura contextualizada da teologia dos reformadores. Não suportanto rótulos, creio que me enquadro entre a neo-ortodoxia barthiana e um liberalismo moderado evangélico.

Liturgicamente, mesmo defendendo um culto brasileiro e contextualizado de acordo com nosso povo e tempo, sou afeito a uma liturgia trabalhada, solene, portanto bastante diferente da típica liturgia pentecostal.

Feitas as devidas ressalvas, vou esclarecer o motivo de minha tristeza quando leio determinadas notas a respeito do pentecostalismo. A mídia secular quase sempre aborda o movimento pentecostal apenas em seu aspecto pejorativo e não tão nobre, afinal, está em busca daquilo que pode proporcionar polêmica e, no caso, retorno financeiro. Acho que nunca li uma leitura teológica e sociológica séria na grande mídia sobre o tema. Por outro lado, setores da mídia evangélica, influenciados por uma mania neurótica de perseguição, nunca estão dispostos a realizar um debate relevante e imparcial sobre assuntos polêmicos relacionados ao pentecostalismo.
O que resta são alguns poucos bons livros acadêmicos, porém de dificil acesso e compreensão para o grande público. Assim, gostaria de escrever algumas impressões particulares a respeito do pentecostalismo, avaliando sua força e fraqueza. Quando digo pentecostalismo, me refiro ao movimento clássico, não considerando o chamado neopentecostalismo.

O lado Libertário do Pentecostalismo

Surgido no início do século XX nos Estados Unidos, o movimento pentecostal sempre foi visto com maus olhos pelos protestantes fundamentalistas. Suas ênfases doutrinárias e litúrgicas foram rebatidas com argumentos diversificados, desde ricos comentários teológicos até chavões toscos e preconceituosos.

Dentro do universo reformado estadunidense, teólogos presbiterianos de renome como B.B.Warfield e Charles Hodge argumentavam que os dons espirituais narrados nas páginas do Novo Testamento tiveram seu fim logo após a era apostólica. Dessa forma, qualquer ato sobrenatural ocorrido após esse período seria basicamente fraudulento. A obra de Warfield denominada “Milagres Falsificados”, publicada em 1918, negava, por exemplo, a existência de atos miraculosos na era contemporânea. Portanto, um dos pilares básicos do pentecostalismo era contestado. Outro presbiteriano,Ronald A.Knox, fomentou um ataque mais virulento ao pentecostalismo por meio de seu livro “Entusiasmo”, onde as manifestações emocionais ocorridas em cultos pentecostais foram veementemente condenadas.Com a consolidação do movimento fundamentalista o nascente pentecostalismo tornou-se alvo de uma campanha agressiva e difamatória. Batistas e presbiterianos conservadores lideraram esse período inquisitorial. A anteriormente elaborada contestação teológica feita por teólogos conservadores como Warfield cedeu lugar a agressões verbais completamente destemperadas, como acusações de que o pentecostalismo seria o último “vômito de Satã” na terra.

A despeito das críticas doutrinárias, será que o ataque ao pentecostalismo foi motivado apenas por questões dogmáticas e litúrgicas? Uma analise fria da história nos mostra que não. Surgido oficialmente em abril de 1906, o pentecostalismo teve como principal líder a figura do negro Wiliam Joseph Seymour. Aluno do metodista racista Charles Fox Parham, Seymour sentiu na própria pele a crueldade do racismo estadunidense. Assíduo freqüentador das aulas bíblicas ministradas por Parham, Seymour tinha sua presença em sala de aula proibida pelo fato de ser negro. Posteriormente, como líder do novo movimento religioso que seria conhecido como pentecostalismo, foi responsável por uma integração racial jamais vista nos EUA do início do século XX. Assim, essa verdadeira democracia racial incomodou a elite branca estadunidense majoritariamente vinculada ao fundamentalismo protestante.

Karen Armstrong em seu ótimo livro “Em nome de Deus- o fundamentalismo no judaísmo, no cristianismo e no islamismo ", confirma tal tese. Vejamos:

“Nesses primeiros anos parecia que uma nova ordem mundial estava surgindo em seus cultos. Numa época de insegurança econômica e crescente xenofobia, negros e brancos rezavam juntos e se abraçavam. Seymour se convenceu de que era essa integração racial, e não o dom de línguas, que constituía o sinal decisivo do fim dos tempos”.

O historiador David Daniel III confirma os dados transmitidos por Karen:

“A Missão da Fé Apostólica de Seymour serviu de modelo para as relações raciais. De 1906 a 1908, negros, brancos, latinos e asiáticos adoravam juntos na missão. Líderes pentecostais brancos, como Florence Crawford, Glenn Cook, R.J.Scott e Clara Lum, trabalhavam com o pastor Seymour, e com algumas lideres negras como Jennie Evans Moore, Lucy Farrow e Ophelia Wiley. O pentecostalismo nascente teve de encarar sua identidade racial numa época em que a maioria das instituições e movimentos cristãos e sociais dos Estados Unidos esposava a segregação racial. Frank Bartlemann, que participou do avivamento na Rua Azusa, expressa sua admiração – A segregação racial foi apagada pelo sangue de Jesus! Enquanto batistas, metodistas, presbiterianos e comunhões holiness, no período de 1865 a 1910, tendiam à segregação racial em suas congregações, associações e estruturas denominacionais, brancos e negros pentecostais pastorearam, pregaram, comungaram e adoraram juntos de 1906 a 1914. Em geral, antes de 1914, os ministros pentecostais brancos independentes recusavam a filiar-se a emergentes denominações pentecostais de tendências segregacionistas, embora muitos deles fossem membros do grupo pentecostal holiness de maioria negra, a Igreja de Deus em Cristo. A liderança pentecostal condenava com veemência as atividades da Ku Klux Klan, e muitas vezes foi alvo do terrorismo dessa organização, por causa da ética inter-racial do pentecostalismo. Parham demonstrava um comportamento racista e uma atitude arrogante em relação a seus colegas negros, especialmente Seymour”.

Tais ideais eram inaceitáveis para o típico protestante conservador norte-americano. Convém lembrar que o fundamentalismo protestante, posteriormente associado aos grotões menos desenvolvidos dos EUA, em seu início foi financiado por elementos altamente influentes da elite, como os magnatas ligados a indústria petrolífera Lyman e Milton Stewart, responsáveis pela publicação, entre 1910 e 1915, da famosa série de folhetos “Os Fundamentos”, considerados textos basilares para a ortodoxia protestante.

Portanto, qualquer movimento que alterasse a ordem estabelecida seria considerado absolutamente herético. Além da integração racial promovida pelos primeiros pentecostais, outros fatores contribuíram para o repúdio manifestado por setores magistrais do protestantismo norte-americano. O culto altamente participativo, responsável pela quebra de barreiras entre clero e laicato, não poderia ser aceito normalmente por uma sociedade fortemente hierárquica. Não bastando, a composição sócio-econômica bastante humilde da maior parte dos integrantes do pentecostalismo original despertou uma oposição virulenta em setores ligados ao grupo majoritário e conservador do protestantismo americano. Vinson Synan, historiador pentecostal estadunidense, confirma essa idéia:

“Durante seis décadas (1906-1960), o pentecostalismo foi excluído do que era considerado cristianismo respeitável nos Estados Unidos e no mundo. Os pentecostais eram barulhentos e, para alguns, desordeiros. Sua adoração estava além do entendimento daqueles que não conheciam a espiritualidade interior que orientava o movimento. Acima de tudo, os pentecostais eram pobres, desprivilegiados, sem instrução e alheios às últimas tendências teológicas que interessavam à maior parte do protestantismo”.

A mídia secular da época, demonstrando de forma latente seu preconceito, não se cansava de noticiar fatos supostamente bizarros do pentecostalismo. Acontecimentos bizarros, além das manifestações sobrenaturais, eram considerados a liderança do movimento por um homem negro e a participação de mulheres em postos de liderança.

Após uma análise dos fatos citados, podemos concluir que o pentecostalismo não nasceu como um movimento repressor, mas sim como portador de uma proposta altamente libertária. Além das práticas com claro reflexo social, como a integração racial, valorização da mulher e ausência de discriminação por questões econômicas, a própria espiritualidade pentecostal era libertadora. Mesmo submetendo suas doutrinas e práticas ao crivo da Bíblia Sagrada, concedia um elevado posto ao sentimento pessoal do crente. Tal concepção chocava-se de forma contundente com o fundamentalismo teológico que apregoava a observância irrestrita a letra do texto bíblico.

Com o passar do tempo, um segmento substancial do pentecostalismo perdeu parte dessas características. Em completa contradição com seu passado não segregacionista, viu nascer em seu seio várias denominações pentecostais voltadas exclusivamente para brancos. Convém lembrar que o pentecostalismo brasileiro é originário desse pentecostalismo segregacionista, uma verdadeira apostasia da proposta original.

Como se tratava de um movimento recente e sem grande tradição teológica, aceitou boa parte das doutrinas defendidas pelo fundamentalismo que tanto o combatera. Dessa forma, doutrinas associadas deliberadamente ao pentecostalismo como: escatologia pré-milenarista, inerrância verbal das Escrituras e um moralismo asceta foram tomadas como empréstimo do protestantismo tradicional fundamentalista. Assim, esses elementos doutrinários claramente repressivos e limitadores de uma atuação transformadora na sociedade não são características inerentes ao pentecostalismo, mas refletem a influência nefasta do fundamentalismo sobre um movimento que tinha tudo para ser uma verdadeira renovação no cristianismo.

Após esta breve análise histórica, cabe aos pentecostais do século XXI a luta pelo retorno aos antigos e originais valores.



Extraido de wwwcristianismolibertas.blogspot.com

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

O PREÇO DE SEGUIR A CRISTO





O preço de seguir a Cristo
É ser pobre de espírito, dependente dos céus
É agradecer a chuva e o sol que chega para nós
O preço é
Não pagar o mal com o mal
Dar a face aos que nos odeiam
E orar pelos que nos perseguem
O preço de seguir a Cristo
É amar a humildade e conviver com ela
E ter preferência aos últimos lugares
E ser desprezado pelos homens
Oh, o preço
É desistir das ilusões de nosso ego
E lutar contra todo mundano apego
É correr uma peregrinação.
O preço de servir a Cristo
É desprezar a fama
É chorar com os que choram
É sentir a dor da fome pela justiça
É conviver com a solidão
O preço
É carregar a cruz da incompreensão
É suportar a dor da perseguição
É compartilhar o sofrimento do próximo
É fundamentar a vida na misericórdia
É ir ao mundo com a luz celestial.
O preço de servir a Cristo
É deixar Deus recompor nossos cacos
É deixar o oleiro amassar nosso barro
É conviver com os fracos e abandonados
É estender a mão ao sofredores
Levar pão  aos famintos
Levantar aos contritos
O preço é
Amar apaixonadamente a simplicidade
Trilhar as veredas dos esquecidos
Abraçar o caminho do padecimento
E ter paciência com os desentendidos
O preço de seguir a Cristo
É acender um  fogo para derreter os frios corações
É fazer com que as palhas da artificialidade sejam dissipadas
É fazer com que o amor seja Maximo em intensidade
E destruir todos nossos conceitos de vaidade
O preço é elevado
Porque o destino dos que assumem o compromisso
Também é elevado.
Viver a eternidade ao lado do perfeito Salvado

CJJ

sábado, 17 de dezembro de 2011

Revistas evangélicas grátis








A revista Betel é uma publicação dirigida aos cristãos que desejam amadurecer e ter acesso a um alimento espiritual sólido. Uma das melhores revistas cristãs que aborda temas profundos, publicando materias e artigos de renomados cristãos. Uma fonte inesgotavel de inspiração e reflexão. Voce pode baixar todos os numeros de graça na página da Associação Betel de Evangelismo e Missões. Leitura altamente recomendada!

http://www.assbetel.com.br/?betel=revistas

CJJ

WALLPAPERS EVANGÉLICOS





WALLPAPERS E PREGAÇÕES MP3 E APOSTILAS DE ESTUDOS BIBLICOS TUDO GRÁTIS
ACESSE

http://www.avivamentoja.com/pmwiki.php?n=Recursos.Wallpaper

CJJ

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

O OUTRO EVANGELHO SE ESCREVE ASSIM:

o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo está sendo substituido por um outro evangelho, tome cuidado, esse outro evangelho pode ser descrito assim:


evangelho de no$$o $enhor je$sus cri$to

Fuja desse evangelho falso!!!

CJJ

ALMA RASGADA





Eu derramo as lagrimas de um rio
Dentro de mim
Duros momentos em que as feridas
Estão abertas

As minhas estrelas se apagaram
E a luz da esperança se acende em outro lugar
De onde não se esperava

É impossível que a brutalidade venha do amor
Mas a insensibilidade também cria monstros
Homens que te abraçam na tranqüilidade
E negam as mãos de auxilio na dor

A alma humana não resiste a injustiça
Quando está na luz
Assim como é incapaz de ficar insensível a
Obra da cruz

Mas um homem caminha sozinho
Ainda que a sua alma esteja rasgada
Sangrando as lagrimas da dor
Agonizando o desprezo atroz

Há um momento triste na vida
Chamada de sofrer injustamente
E ela se torna insuportável quando você
Não tem amigos

Ainda que os poucos que te restam te ajudem
A maioria te esmaga com dureza
De oprime com o faz de conta
Te esquece da tua existência

Eu percebo isso em mim mesmo
E de nada adianta lamentar
É preciso esperar
E não ser um desventurado de se esquecer
De DEUS
Quando todos os que eram considerados
Como amigos
Se esqueceram de mim

CJJ

Falso e Verdadeiro

Não é pelo fato de o falso se fazer 100% parecido com o verdadeiro que será 100% verdadeiro

CJJ

SOBRE OS FALSOS AMIGOS

Que eu nunca tenha a desventura de se esquecer de DEUS quando todos os amigos se esquecerem de mim

CJJ

Sobre a musica cristã moderna...


Qual a diferença entre os cantores de musica cristã antiga e os cantores gospel modernos?
Os cantores antigos cantavam porque amavam a Deus, e os modernos, na sua maioria esmagadora
cantam, porque amam a fama, os aplausos e o dinheiro!

CJJ

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

ABRINDO OS OLHOS PARA O QUE TRAZ CEGUEIRA





ABRINDO OS OLHOS PARA O QUE TRAZ CEGUEIRA

II Coríntios 4:4

Tenho refletido na Palavra do Senhor e vi muitas expressões que dizem: "Então o Senhor abriu-lhe os olhos".
Olhos fechados! Quantas pessoas por aí sofrem por estarem com os olhos fechados.
Gênesis 3:7 conta-nos a experiência de Adão e Eva. O pecado cegou Adão e Eva, para enxergar a Deus. Depois de pecar, Adão e Eva tiveram os olhos abertos. Gênesis 3:7 nos diz: "então foram abertos os olhos de ambos e descobriram que estavam nus".
APRENDIZADO:
O diabo quer cegar o nosso entendimento como fez com Adão e Eva. (II Coríntios 4:4) - "nos quais o deus deste século cegou os entendimentos..."
Isto ele faz através do pecado, da desobediência. Por isto os discípulos perguntaram... (João 9:1-3) - "E, PASSANDO Jesus, viu um homem cego de nascença. E os seus discípulos lhe perguntaram, dizendo: Rabi, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego?" Jesus respondeu: "Nem ele pecou nem seus pais; mas foi assim para que se manifestem nele as obras de Deus."
Deus é glorificado em meio a cegueira que o diabo coloca. Deixemos Deus abrir nossos olhos! Vejamos então alguns exemplos bíblicos de cegos que tiveram seus olhos abertos:

1- Gênesis 21:19: Experiência de Agar.
Quando Agar foi despedida da casa de Abraão com seu filho e estando sem saber o que fazer, sem ter alimento e casa para morar, deixou seu filho Ismael e se afastou para não vê-lo morrer de fome e sede. A Bíblia diz que o menino chorava, então Deus bradou do céu e disse a Agar: "tenho ouvido o choro do seu filho". O Senhor abriu os olhos de Agar e ela viu o poço de água que podia salvar seu filho e sua própria vida de toda a miséria que estavam vivendo.
APRENDIZADO:
Quando estamos passando por momentos de privações, a nossa tendência é olhar para as circunstâncias, os choros, se distanciar e esperar o pior. Mas Deus quer abrir os nossos olhos para os poços de suprimentos que Ele já preparou.
Você não precisa continuar olhando para as circunstancias, abra os olhos e veja a provisão que o Senhor já preparou.

2- II Reis 6:16-17: Experiência do moço de Eliseu
"E ele disse: Não temas; porque mais são os que estão conosco do que os que estão com eles.  E orou Eliseu, e disse: SENHOR, peço-te que lhe abras os olhos, para que veja. E o SENHOR abriu os olhos do moço, e viu; e eis que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor de Eliseu".
Vemos que o servo de Eliseu estava aterrorizado em meio ao exército do inimigo. O profeta Eliseu orou a Deus por ele, o Senhor abriu-lhe os olhos e o moço viu um exército de anjos muito maior que o exército dos inimigos, preparado para lutar por eles. Assim o servo de Eliseu foi liberto de todo medo.
APRENDIZADO:
Em meio a perseguição e lutas desproporcionais, quando com os olhos naturais não vemos como enfrentar tal dificuldade, deixemos Deus abrir nossos olhos para enxergarmos que mais são os que estão conosco do que  os que estão contra nós.

3- Lucas 24:13 a 35: Experiência dos discípulos no caminho de Emaús.
 Os discípulos estavam a caminho de Emaús, decepcionados, falando da frustração de não verem os seus sonhos se cumprirem, suas expectativas haviam morrido.
Leia Lucas 24:13-21. "E nós esperávamos que fosse ele o que remisse Israel; mas agora, sobre tudo isso, é já hoje o terceiro dia desde que essas coisas aconteceram" (vs. 21).
APRENDIZADO:
Quando tudo parece ter acabado, seus sonhos morreram aos seus olhos, deixe Deus abrir os seus olhos para que você enxergue que ainda não acabou, pelo contrário, agora é que vai começar.

4- Atos 9: Experiência de Paulo.
Paulo teve seus olhos fechados por causa das suas convicções (os enganos que ele vivia), a RELIGIOSIDADE. Ele não conseguiu enxergar a verdade, porque não estava aberto pra ela. Haviam escamas nos seus olhos. "E logo lhe caíram dos olhos como que umas escamas, e recuperou a vista; e, levantando-se, foi batizado" (Atos 9:18).
APRENDIZADO:
As vezes estamos tão cheios das nossas convicções, das nossas verdades que criamos escamas, e não enxergamos o novo de Deus. Chamamos isto de religiosidade.
Não se feche para o novo de Deus, Ele se manifesta de muitas formas. Não julgue o mover de Deus, nem suas manifestações. Deixe-O abrir seus olhos, para enxergar a Sua multiforme graça. "Cada um administre aos outros o dom como o recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus"       (I Pedro 4:10).
Como na experiência de Balaão em números 22, o anjo de Deus estava ali, até a mula enxergava, mas Balaão não. "Então o SENHOR abriu os olhos a Balaão, e ele viu o anjo do SENHOR, que estava no caminho e a sua espada desembainhada na mão; pelo que inclinou a cabeça, e prostrou-se sobre a sua face" (vs 31).
Esse é o tempo onde precisamos pedir ao Deus das Manifestações do Impossível retirar toda cegueira e miopia espiritual que possa existir em nós; só assim poderemos viver a boa, perfeita e agradável vontade do Senhor.
Minha oração nesse tempo de conquista é que o Senhor abra os nossos olhos.

DISCUTA EM GRUPO: O QUE TEM FECHADO OS NOSSOS OLHOS?
1-O PECADO (REBELIÃO, DESOBEDIÊNCIA, O EGOÍSMO...)?
2- OS MOMENTOS DE PRIVAÇÃO?
3-AS PERSEGUIÇÕES, AS LUTAS DESPROPORCIONAIS?
4-AS DECEPÇÕES E FRUSTRAÇÕES?
5- A RELIGIOSIDADE, AS NOSSAS. CONVICÇÕES DA VERDADE
SEJA O QUE FOR, SAIBA... DEUS QUER ABRIR NOSSOS OLHOS.



Matéria enviada pelo Pastor Luiz Alberto Pereira da Igreja Cristã Batista de Pomerode-sc

Alerta aos pré-tribulacionistas.







 Você já deve ter percebido como em nossos dias as disputas sobre posições escatológicas, marcações de datas e interpretações proféticas aumentaram assustadoramente. Qualquer cristão que faça uma pesquisa para conhecer as opiniões das diversas escolas de interpretações da profecia, vão descobrir um emaranhado de posições, argumentos e assim por diante.
 Eu desejo deixar aqui uma mensagem a todos cristãos não importam qual posição escatológica. É apenas uma mensagem de reflexão, levando-nos para o campo da coerência, do equilíbrio e da sensibilidade.
 O pré-tribulacionismo em questão, e o pré-milenismo tem sido a corrente escatológica que mais teve tendências até o momento de marcar datas especulativas, com relação a volta de Cristo,  com erros sérios.  Thomas Ice e Thimoty Leary afirmam isso no livro A Verdade Sobre o Ano 2000 E As Previsões da Volta de Cristo(Actual Edições-Pag 40)
 A visão geral do pré-tribulacionismo, tem influneciado a mentalidade cristã ocidental, ao ponto de muitos especularem que a igreja não passará por momentos de apertos e de grandes aflições nesse mundo. E aqui está um erro fatal. Primeiro porque isso contradiz a historia da Igreja, depois porque o cristianismo tem sido a religião mais sofredora e mais perseguida nesses tempos. Milhares de cristãos são assassinados e presos todos os anos, igrejas são incendiadas e destruídas. Isso é fato, mas parece que os ocidentais, que vivem uma liberdade religiosa esquecem disso.
 A noção pré-tribulacionista tenha permear as nossas mentes de que algo extremamente radical no assunto a perseguições não é uma possibilidade para nós hoje. E isso não é verdade. Isso poderá pegar a igreja despreparada, para uma dura perseguição. Uma vez que hoje em nosso meio se fala muito em prosperidade, bênçãos, glórias, paz, conforto, bens terrenos, dinheiro, etc e etc. nada se prega sobre a mortificação da carne, pouco se fala sobre o desapego ao mundo, não se fala sobre humildade e vida simples, não se prega mais sobre separação do mundo, a doutrina da cruz foi banida dos púlpitos, a palavra martírio é uma teoria primitiva na concepção do cristianismo ocidental, a maior parte dos cristãos que vivem desse lado do mundo, nem tem idéia, de quanto os cristãos em outras partes sofrem duras perseguições. Além da ignorância ao assunto, os cristãos acabam também se omitindo de interceder aos irmãos que padecem duras perseguições em paises fechados ao evangelho. É fato noticiado por agencias cristãs que a perseguição aos cristãos nunca parou, e tem se acentuado nesses últimos anos (1). Caso ache que isso não é real hoje em nossos dias, pesquise os dados sempre atualizados da pagina Persecution um site especializado com dados atualizados sobre a perseguição dos crentes em todo o mundo (2)
 Porque estou escrevendo isso? A maioria dos cristãos ocidentais é pré-tribulacionista, isso é fato comprovado pelo fato da maioria defender o dispensacionalismo. Não estou aqui discutindo questões escatológica, nem defendendo posição alguma. Apenas querendo alertar aos cristãos que esteja preparados, pois, não é verdade que estamos isentos de perseguições ao ponto de enfrentarmos o martírio por causa da nossa fé. A doutrina pré-tribulacionista tem tido esse efeito na vida de muitas pessoas. Em isso é um grande erro, poderá pegar muita gente de surpresa, não preparada para enfrentar duras perseguições como estão enfrentando hoje os cristãos em paises fechados ao evangelho com regimes intolerantes e totalitários. Revendo as paginas da história, em décadas atrás, na antiga URSS, e também na China, quantos cristãos morreram por causa da fé? Faça uma pesquisa, vá buscar informações. Quem vos garantiu que o futuro nosso está isento de duras perseguições?
 Aqui não há intimidação, apenas estou propondo que se avalie os fatos como eles são, que venhamos a refletir e nos preparar, porque algo pode acontecer no futuro, e pegue muita gente despreparada. Não estou afirmando que isso vai acontecer, estou propondo que isso pode acontecer. E nosso povo, acostumado a ser alimentado com mensagens tipo “algodão doce” não estejam preparados espiritualmente para enfrentar o cálice da perseguição.
 E aqui vou mais adiante, os cristãos atuais devem estar preparados  também para enfrentar catástrofes, locais ou universais, de pequena ou grande proporções, pois a tendência do nosso mundo é nesse sentido. Não podemos fugir da realidade. A igreja está preparada para enfrentar uma catástrofe como enfrentou o Haiti, e mais recentemente o Japão? É aqui que entra a lógica, na situação de emergência e de provas extremas, de pouco adianta falar sobre prosperidade e triunfos pessoais. Mensagens superficiais não destroem as muralhas do egoísmo humano. Precisamos estar atentos, usar de prudência, coerência e bom senso, e Jesus mesmo falou sobre isso: “ portanto, sede prudentes como as serpentes e inofensivos como as pombas.” (Mt 10:16) em outra parte Jesus alertou “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo” (Jo 16:33) Jesus também afirmou: “Quem achar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a sua vida, por amor de mim, achá-la-á”. (Mt 10:39). Essas palavras de Cristo tem sido uma realidade na vida de muitos cristãos, segundo informações sobre perseguições aos cristãos, somente a Coréia do Norte tem mais de 50.000 prisioneiros cristãos! Isso é muita gente sofrendo pelo evangelho! (3) a nível mundial, são aproximadamente 200.000.000 de cristãos que sofrem perseguição em aproximadamente 60 países. (4)
 Jesus nos ensinou princípios que não podem ser omitidos do púlpito moderno, o povo precisa ser ensinado e preparado para os dias do fim.
 Que possamos refletir sobre esse assunto, não estou expondo aqui ataques contra posições doutrinarias, apenas alertando sobre a deficiência que o pré-tribulacionismo tem produzido na mentalidade de muitos, o que pode ter um efeito devastador, se o futuro tomar um rumo inesperado para a igreja.

DEUS TE ABENÇOE MUITO







VISITE TAMBEM



AUTOR: Clávio Juvenal Jacinto

UM ALVO A ALCANÇAR




Foi João da Cruz que exortou aqueles que amam a Deus, a terem uma vida mais pura e mais espiritual. A questão da pureza e da espiritualidade devem ser refletidas na dimensão bíblica de que só pode haver real cristianismo quando a comunhão com o Senhor, de fato for real. A nossa pureza precisa focalizar o entendimento e o alcance de Efesios 4:13 e 14 e Romanos 8:29. e na esfera dessas duas passagens que a vida cristã ganha sentido amplo e poderoso. Experimente alcançar esse propósito!

CJJ

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

CLIPARTS CRISTÃOS GRÁTUITOS







Olha só, lindos cliparts para voce usar a vontade em seus trabalhos graficos na igreja, excelente para boletins informativos e folhetos e muito mais dea cordo com a sua criatividade, tudo de graça e só acessar e selcionar o que deseja:

http://www.punjabizaboor.com


DEUS TE ABENÇOE

A CRUZ E O NATAL



A cruz mostra a misericórdia de DEUS, revela a seriedade do pecado, ensina o preço do amor, transmite a verdade da esperança eterna. A cruz manifesta a bondade de Cristo, a condição do homem caido, a sutilidade do pecado humano. A cruz ensina o que é compaixão pelos homens, mostra o que é uma dadiva de valor incalculável e faz com que o salvador estenda seus braços a todos os homens. Ah, rude cruz, nela perfeito sacrifício pelo pecado, perfeito pagamento pelo resgate e perfeita vitória contra o inferno.  E, que mais poderia dizer, apesar do fato de muitos celebrarem o nascimento de Cristo, foi a sua morte que definiu e selou o destino de cada homem.


CJJ

CLIPARTS EVANGÉLICOS





Para incrementar os boletins e os trabalhos gráficos da sua igreja, cliparts evangelicos inteiramente grátis, voce pode usar a vontade sem pagar nada.  Uma benção. É só visitar:

http://www.holycliparts.com/

IGREJA: MUSEU DE SANTOS OU HOSPITAL PARA PECADORES?





O cristianismo primitivo sofreu sérios desvios quando a vida cristã passou a ser reinterpretada de modo inclusivo. O nascimento do monasticismo tinha como objetivo fazer com que cristãos se isolassem do mundo. Nascem os monastérios e os conventos, onde as pessoas, com boas intenções, viviam sob rígidas disciplinas, para servir a Deus enclausuradas em quatro paredes. Isso pode ter até ter trazido algum beneficio devido a seriedade de seus proponentes. Mas de um modo geral, eu vejo o monasticismo como um modelo de querer restringir a igreja em quatro paredes, fazendo com que seja apenas um museu, ao contrario do que fez Francisco de Assis, que levou a esperança aos pobres e deu a sua vida por uma causa aberta, há dentro do catolicismo modelos que realmente reflete uma abertura amorosa as pessoas que estão do lado de fora, lá no mundo, e creio que um exemplo bem claro disso, foi o legado de Henry Nowen. Antes que alguém venha tirar conclusões apressadas, sou evangélico conservador, não sou ecumênico, e embora tenha que admirar muitas coisas no catolicismo, e não me envergonho disso.  Não concordo com seu sistema doutrinário, e nem mesmo minha intenção aqui falar sobre isso.
 Voltemos ao monasticismo. A vida integrada a uma prisão em quatro paredes, isolado do mundo e longe da civilização parece ser atraente, mas não tem fundamento bíblico, fere o IDE de JESUS, e mina as bases da fraternidade da justiça e do amor.
 Há conceitos de evangélicos que se assemelham muito a isso. Recentemente ouvi pessoalmente um cristão dizer que a Igreja tem que ser sofrer o prejuízo dos que não querem se adaptar ao sistema eclesiástico vigente, e que a igreja deve sofrer a perda dos membros menos santos. Essa é a visão de alguém que lê a bíblia, que se diz cristão, e quer ver a igreja como uma comunidade de “santos empalhados” para exposição ao mundo...
 Desculpem minha ironia, mas é isso que vejo em muitos lugares, a igreja como ujm modelo de  museu. Ali só há espaço para quem é “santo” não há lugar para os fracos na fé, não há lugar para os doentes, não há lugar para os desanimados, não há lugar para quem deseja se aperfeiçoar, ali só existe lugar para os “perfeitos”.
 Por favor me entenda, eu creio na santidade, não em santarronice, esse é um termo que inventei, para ser denominador comum, aos que pretendem serem santos sem terem misericórdia, amor, carinho, respeito, equidade, equilíbrio e coerência. Se em nosso cristianismo moderno há os que querem fazer da igreja um clube, é certo também que outros querem fazer dele um museu!
 A igreja foi constituída como uma comunidade, onde três coisas precisam estar atadas: uniformidade, unidade e unaniminidade. (Atos 2:42). A fonte da vida da igreja é Jesus, ele é a base fundamental da nossa fé, e seus ensinos permeiam a vida da igreja.
 Jesus deixou um legado de ensinos maravilhosos, eu creio em tudo o que ele disse e ensinou, ele falou sobre o caminho estreito, falou sobre o preço do discipulado, tenho crido nisso de todo o meu coração. Mas não podemos nunca parar por ai, sendo santo e sendo zeloso, Cristo era misericordioso, e das paginas dos evangelhos saem as mais lindas historias da misericórdia . Uma história que foi tecida com os fios de ouro da misericórdia foi a parábola do filho pródigo, outra historia tecida com fios dourados do amor de Deus foi a parábola centésima ovelha perdida.(Lucas 15) O pródigo, toma a iniciativa de ser rebelde, ele é pois uma espécie de “ovelha negra da família”.  Cai no mundão, gasta toda a herança com as coisas mais vis, desce os degraus do pecado, até onde a escuridão abissal não permite uma fagulha de temor, a centésima ovelha, sai do rebanho, se desgarra, e sai sozinha, é rebelde, autônoma, independente. Numa precisão técnica da santarronice, a ovelha desgarrada não merece carinho atenção, os subsídios da santidade não podem ser gastos com uma ovelha tão impenitente, que dá trabalho, não respeita a vida de comunidade e sai por ai, autônoma, para sofrer as conseqüências de suas decisões pessoais.  Há só um fator predominante: eliminação: num museu de exposição de santos, um filho pródigo fedorento e maltrapilho, mancha a configuração dos perfeitos. Além disso, aquilo que trás prejuízos para a integridade alheia deve ser eliminado, banido. Não há espaço, o ambiente das assembléias dos museus que querem implantar por ai, não aceitam ovelhas quebradas.
 Não há espaço para elas, filhos pródigos e ovelhas perdidas não encontram bálsamos para suas fraturas em museus. Ali não há remédio que consola a alma.
 Quando Jesus veio ao mundo, encontrou muita santarronice, gente intolerante que procurava os erros nos outros, para depois poder aplicar a lei, em muitos casos de pena de morte.
 Mas quando ele organizou um colégio apostólico, procurou doze homens, com falhas e pouco a pouco, foi aperfeiçoando eles na escola da humildade e na universidade da misericórdia. Veja bem, esses não se tornaram homens enclausurados, aprisionados em quatro paredes de um templo, mas foram lá fora, e seguindo o modelo do mestre, foram levar esperança aos desesperados, foram levar comida aos famintos, foram ajudar os caídos e prosseguiram nessa caminhada até o fim. A igreja do Novo Testamento era uma igreja, não era um museu, era uma igreja que incluía em seu meio, as mais complexas pessoas, veio Paulo com formação rabínica, não para ficar em exposição em uma praça, mas para desgastar a própria vida em prol do evangelho. Veio Mateus, Pedro, Tiago, Judas, que mesmo com toda a sutilidade de caráter, não foi expulso do colégio apostólico.  Jesus como modelo não se retrai, vai aos Samaritanos, os intocáveis inferiores no judaísmo daquela época, vai até o gadareno, cristo como modelo de vida expôs a sua vida não a um museu judaico, mas a uma cruz, sofrendo a ignomínia e a afronta, para pagar pelos nossos pecados, então porque alguns querem fazer da igreja um museu de santos?
 Gente que se acha perfeita aos próprios olhos, cuja arrogância endurece completamente a alma nunca pode experimentar a verdadeira santidade. Nós precisamos viver um cristianismo de amor aos perdidos, fazer com que a igreja seja aquecida com a misericórdia de DEUS. A igreja precisa de homens que estejam dispostos a chorar com os que choram, a ajudar a carregar a carga alheia, a buscar conciliar os que se afastaram. Igreja é lugar de santos, eu concordo, mas de santos que sejam humildes, aliás não existe santidade sem humildade. Santos que saiam ao mundo, que respeitem seus superiores, que não sejam partidaristas, que não busquem a satisfação própria, mas em tudo sejam servos.
 “Mas quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque são feitas em Deus.” (Jo 3:21) Jesus não ensinou enclausuramento, mas ensinou a ir ao mundo “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.” (Mc 16:15).
Deus tem o propósito de fazer com que a igreja cresça, isso tem sido desde o principio: “Louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar” (At 2:47)
 Na parábola do bom samaritano, vimos como a misericórdia divina é retratada na obra de restauração aos feridos: “E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem, e cuidou dele”(Lc 10:34) essa é a passagem mais irônica, que Cristo deixou em seu rico legado de ensinos sobre a verdadeira vida religiosa. Vale a pena ler, com as lentes da misericórdia divina!
   Em suma podemos concluir com Cristo a respeito dos crentes, que não fiquem enclausurados, mas que saiam para que sejam luzes em meio as trevas espirituais, JESUS mesmo falou: “Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal.” (Jo 17:15).
 Vamos das as mãos aos quebrantados, aos decepcionados, aos que estão feridos e precisam de amor carinho e tratamento. Que o templo possa ser uma oficina do mestre, que possa ser uma olaria, um pronto socorro espiritual para levar consolo e remédio as almas doentes.


CLAVIO JUVENAL JACINTO

SOBRE AS DORES DA TRAIÇÃO


SOBRE AS DORES DA TRAIÇÃO


Quem pode entender a dor da traição e da falsidade, ao ponto de fazer com que ela seja explicável em palavras?
 Ninguém no entanto não consegue entender o fogo da alma ferida, que faz borbulhar as ferventes lagrimas de uma dor causada pela falsidade.
 A vida é tão louca, mesmo sendo cristão, temos que lidar com os enigmas e os mistérios da dor que nos afronta, nos confronta, e tenta dilacerar a nossa fé.
 Lidamos com homens, que carregam mascaras, e escondem sombras nas profundezas de si mesmo. E quando descobrimos a ascensão dessas sombras, ficamos assombrados, como se uma fagulha de indignidade acendesse nosso intelecto.
 As dores da vida são reais, mas as dores causadas pela traição são irônicas. O sofrimento causado por um semelhante, cuja fonte é a falsidade, nos leva para o limiar da indignação, como Judas que comendo o pão multiplicado e abençoado de Jesus, levanta sua alma contra aquele que o fez bem-aventurado.
 A tristeza da vida não são as dores advindas do acaso, pois essas dores, nós temos a força de supera-las, as mais difíceis dores que enfrentamos na vida, são aquelas que foram causadas por pessoas, que se diziam amigas, mas que na verdade, não eram. Apenas se aproveitaram da inocência do amor, para fins egoístas e individuais.  Na batalha da vida, a dor oriunda de um ataque vindo de trás é bem pior do que a dor vinda de um inimigo que nos confronta frente a frente. Todo falso amigo é um covarde, que se aproveita do momento da sua simplicidade para revelar as suas garras.

CJJ

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

URGÊNCIA MISSIONÁRIA!


Ajudem essa irmã paquistanesa a se livrar da sentença de morte, ela é acusada de blasfêmia por se converter ao cristianismo. A meta da voz dos Mártires americana é enviar 1.000.000 de assinaturas de protesto, ao governo paquistanês. Por favor assine e repasse a Todos os seus contatos.





Entre agora mesmo nessa pagina e assine a petição:




DEUS ABENÇOE A TODOS!

CJJ

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Refletindo


A TEMPESTADE VEM NA NOSSA VIDA, E NÃO DEVEMOS DEIXAR QUE ELA NOS LEVE CONSIGO, FELIZ É O HOMEM QUE RESISTE A TEMPESTADE, E MESMO APOS ELA PASSAR
QUEBRAR ALGUMAS PARTES DA NOSSA VIDA, AINDA TEM FORÇAS PARA RECOMPOR OS PEDAÇOS QUEBRADOS.

CJJ

Refletindo


O LUGAR MAIS PROFUNDO  DO HOMEM É SEU PROPRIO CORAÇÃO, E ALI ELE CONSEGUE ESCONDER DA VISTA DE TODOS, AS SUAS MAIS TERRIVEIS OBSCURIDADES

CJJ

Refletindo


A PIOR CONDIÇÃO DE UM HOMEM RELIGIOSO É QUANDO ELE BRILHA POR CAUSA DA SUA FRIEZA.

CJJ

Refletindo...


A UNICA DIREÇÃO EM QUE O HOMEM PODE OLHAR SEM SOFRER A DECEPÇÃO DA INJUSTIÇA É O CÉU.

CJJ

terça-feira, 29 de novembro de 2011

O PULPITO E O TERRORISMO PSICOLÓGICO




 Você com certeza já ouviu lideres se defenderem em suas posições a fim de ganhar força para fazerem o que quiserem e não serem questionados. Já existe chavões para isso “Não tocar o ungido do Senhor” mas ainda existe expressões mais concisas. Como aquelas comuns em reuniões de obreiros, em que muitas vezes o líder tenta conseguir uma cobertura, apelando para situações supostamente históricas de pessoas que se levantaram contra pastores e ou lideres, e sofreram a pena divina, “pagando o preço” como diz o linguajar evangeliquez. Eu sou contra o desrespeito ao líder, sou contra a desobediência ao líder, mas é preciso salientar com muita clareza: lideres, inclusive pastores não são infalíveis, e são humanos, e estão sujeitos a falhas e correção! Nesse caso precisam de correção sim! Líder está sujeito a erros e a equívocos, e nesse caso plausíveis de correção e em determinadas circunstancias de oposição. Não posso concordar com uma incoerência de um superior, devo ser transparente, se vejo claramente que está errado. Se opor e não aceitar não é errado.
 Mas a minha ênfase não é precisamente isso.
 Ao tentar fazer do Salmo 105:15 I Crônicas 16:22 um mecanismo de defesa e cobertura para fazer o que bem entende, o líder que apela para o chavão “Não toqueis nos ungidos do Senhor” respira ares de superioridade de infabilidade e de TERRORISMO PSICOLOGICO. Já que a conseqüência de tocar num ungido sempre é clara no contexto desse argumento de defesa: uma situação nefasta, morte, perda de filhos, perda de bens etc e etc.
 Infelizmente, eu mesmo presenciei como muitos lideres fizeram o que quiseram, defenderam coisas erradas e tomaram decisões equivocadas a prejuízo de uma platéia que retrocedeu, encolhida e espantada, porque não poderiam se opor contra o ungido...
 Os prejuízos então devem ser devastadores, a nível universal! Por causa dessa espécie de cobertura que muitos lideres usam, para se isentarem de ataques e se sentirem a vontade para fazer o que quiser sem encontrar muita oposição.
 O que você acha, Jim Jones era líder espiritual. Quando o templo do Povo começou, pelo que pesquisei, era uma igreja cristã, os desvios vieram sorrateiramente, por causa do carisma e dos desvios doutrinários do Jones. A submissão cega custou o prejuízo daqueles que não se oporam a ele.
 Davi quando errou foi repreendido por Natan. O líder não está isento de julgamento quando erra, quando o erro de um líder é coberto, todos podem sofrer, e as conseqüências são tão sérias quanto se imagina. Eli perdeu seus filhos Ofni e Finéias. Nesse caso, foi o próprio sacerdote que teve de sofrer as conseqüências, porque acabou também perdendo a sua vida de forma trágica. Tudo foi conseqüência de seus erros. Mas isso não é contado em casos de terrorismo psicológico. O que dá a entender que o líder está pronto a fazer o que quiser, sem ser questionado, sem ter oposição, e que se porventura alguém se levantar, vai se dar mal, mas se ele tiver errado, Deus vai tolerar o erro dele, porque ele foi “ungido por Deus”. Isso é uma infâmia, me desculpem uma aberração!
 Todo erro tem conseqüências, não importa de onde proceda! Essas conseqüências vão desde o nível pessoal até o social mais amplo, pode afetar poucas e muitas pessoas.
 Eu vejo como pessoas usam esse argumento para se sentirem a vontade e não serem questionados ou criticados. Um dos servidores desse terrorismo psicológico, certo tele-evangelista norte-americano muito conhecido, por causas de suas declarações heréticas e descabidas, como a afirmação de visitar cemitérios para buscar unção no tumulo de pessoas falecidas. É um exemplo desse tipo de manipulação. Pedro era uma autoridade espiritual, mas Paulo o repreendeu na cara porque Pedro estava equivocado!
“E, chegando Pedro à Antioquia, lhe resisti na cara, porque era repreensível.” (Gl 2:11)
 quando um líder argumenta a favor da incoerência, por favor desconfie dele! Rejeite seus ensinos, ele pode estar causando sérios prejuízos a obra de Deus e só o tempo vai revelar a devastação que pode ocorrer.
 Em Oséias 5 há outro exemplo claro, príncipes e sacerdotes são repreendidos pelo profeta Oséias. É um falso conceito perigoso pensar que um suposto ungido ou até mesmo um líder com chamado vocacionado confirmado esteja livre de repreensões e oposições. Isso é um engano, e geralmente quem assim procede, está lidando com orgulho e erros, e não quer sofrer oposição mas quer seguir o curso livre em cometer erros, sem precisar passar pelo crivo da oposição dos que não concordam.
 Esses fortes apelos não vem somente de lideres de alta posição, as vezes em pequenas igrejas muitos apelam para esse tipo de coisas. Ainda recente vi um caso assim. Um pastor falando de púlpito que todos os que se levantaram contra ele caíram. Eu não concordo em hipótese alguma em se levantar contra homens de Deus sem causa justa e confirmada pelas escrituras, sou completamente contra isso. Lidero igreja, meu rebanho é pequeno, mas não uso de estratégias para fazer com que me isente de erros. Sou humano e tenho falhas e defeitos e preciso lidar com eles, e na hora das falhas, tenho que enfrentar a repreensão se isso for possível. Tenho que reconhecer meus erros, tenho que lidar com os que não aprovam com uma decisão que errei, tenho acima de tudo que acertar as coisas, quando elas estão erradas, principalmente quando elas partem de mim. Isso é claro e coerente.
 Mas quando um líder quer espaço para o domínio, quando quer apelar para a tirania, quando tem segundas intenções, quando quer trabalhar na política da intolerância, quando quer algo que beneficie suas conveniências pessoais, ele apela para o terrorismo psicológico, implantando o medo nas pessoas, para ficar isento de criticas e oposição.
 Não é meu objetivo incentivar a rebelião, essa matéria está a milhões de kilometros disso. Estou apenas salientando o fato de que querer seu um ungido intocável é uma utopia sem base nas escrituras. Isso é próprio de um tirano e um ditador, de alguém que deseje dominar as pessoas, e ter o curso livre para seus propósitos. Creio na autoridade espiritual instituída, tanto social quanto eclesiástico, incentivo a obediência, mas não incentivo prestar obediência cega a ninguém!
 O terrorismo psicológico tenta a assustar as pessoas, com segundas intenções. Fazer com que as pessoas se retraiam no medo, e não questionem as coisas para conferir com as escrituras por exemplo, aquilo que se prega, se ensina ou propõe, quando não segue o modelo da nobreza espiritual é perigoso.(Atos 17:11)
 Devemos amar nossos lideres, sim devemos honra-los, isso é uma coisa, mas um líder tem que saber lidar com as suas limitações, tem que entender que é humano, sujeito a fraquezas e falhas. A ênfase que se dá uma ´pessoa pela sua liderança e seu carisma, é perigoso, o coração do homem tem fortes tendências de praticar idolatria, Paulo enfrentou esse tipo de coisas em Corinto, a igreja estava dividida, uns olhavam para Apolo, outros para Cefas e assim havia partidarismo dentro da igreja de Corinto.
 Outro fato interessante aconteceu na igreja de Efeso (Apocalipse 2:1 a 7) ali havia pessoas que se diziam apóstolos que foram postos a prova e não eram. Veja bem, alegavam uma missão especial, uma classe de ungidos, mas que foram desmascarados. Essas informações são interessantes e são bíblicas, Jesus aprovou essa atitude dos cristãos de Efeso, e nunca disse que isso era pecado, se levantar contra supostos apóstolos. Agora uma nova modalidade de lideres querem ser inquestionáveis em termos de praticas e doutrinas, ensinam doutrinas estranhas, procuram introduzir heresias e modismos, outros querem simplesmente liderar de forma a serem inquestionáveis e intocáveis.
 Devemos amar nossos lideres, os autênticos e  vocacionados, Jesus falou sobre uma outra espécie de liderança: o pastor mercenário, é isso mesmo, uma espécie de líder de ovelhas, que não tem compromissos autênticos de defesa e amparo das mesmas.
 Meus amados irmãos, é pelo fato de existirem homens bons e maus, que também haverá lideres bons e ruins. Temos que ser criteriosos. Líder não é um super-homem intocável. Não usa de terrorismo psicológico para fazer o povo se retrair para que ele possa se esconder numa capa de “ungido de Deus” para fazer o que bem entender, ele não infalível. Lembre-se disso, e tome cuidado quando você estiver na frente de pessoas que lideram com arrogância, que pressupõem estar convictos de uma verdade que não precisa ser testada e avaliada, tome cuidado se esse líder promover culto a si mesmo, se  achar como um enviado de Deus para uma missão especial. Tome cuidado! A cegueira dos seguidores de Jim Jones custou a queda ao abismo. Muita gente tem perdido a noção do critério, e acabam se retraindo, ou são vitimas desses terroristas de púlpitos que querem se igualar a Cristo, na essência e não no caráter, porque Cristo tinha uma vida aberta e transparente. Muitos promovem uma auto-divinização, e muitos caem nessa cilada, e acabam prestando adoração, obediência cega aos lideres, seja por manipulação ou por simples cegueira, já que nesse mundo há uma grande parcela de pessoas que fazem questão de serem enganadas, mas que você não seja uma dessas.
  Louvado seja o nome do Senhor Jesus, modelo de um autentico líder, e que cada um venha se espelhar nEle, e desconfiar de todos os querem roubar a  glória que pertence a Ele.

PR CLAVIO JUVENAL JACINTO

JESUS CRISTO E PAPAI NOEL





É engraçado como os homens escolhem sem base bíblica uma data para comemorar o nascimento de Jesus Cristo, e ao mesmo tempo introduzem um mito chamado de Papai Noel para misturar as coisas e confundir tudo. Quem você acha que é o centro dessa comemoração natalina no dia 25 de dezembro.
 Observe você mesmo, nesse espírito consumista, quem aparece fazendo propaganda como um legitimo representante do natal? Esse ídolo chamado Noel, aparece em rótulos de refrigerante, nas propagandas de televisão, nos encartes promocionais de lojas, nas revistas e nos jornais, crianças em todo o mundo escrevem cartas direcionadas ao pólo norte, na esperança de que seus pedidos cheguem ao Noel. Bonecos de Noel são pendurados em arvores, chaminés, janelas. Todo o aparato natalino de luzes e cores, por mais emotivo que seja, tem sua direção oposta a Cristo. há diferenças gritantes entre o mito e a realidade. E isso precisa ser observado nesse ultimo mês do ano.
 Jesus e Noel são contrastes, esse ultimo é um mito, o outro é uma pessoa real, vive, e voltará literalmente.
 Noel, segundo seus seguidores entra pela chaminé, Jesus entra pela Porta(Ap 3:20) por isso mesmo Noel é invasor, Jesus só entra se for convidado.
 Noel, é chamado de “bom velhinho”, mas Jesus afirmou: “E ele disse-lhe: Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus. Se queres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentos.” (Mt 19:17).
 Noel é chamado de papai, Jesus porém disse: “E a ninguém na terra chameis vosso pai, porque um só é o vosso Pai, o qual está nos céus.” (Mt 23:9)
 Noel é o ídolo que se omite a falar do melhor presente que um homem pode ter: A SALVAÇÃO POR INTERMEDIO DE JESUS CRISTO. o mito Noel, ensina uma falsa esperança, milhões de crianças esperam que esse ídolo chegue em suas casas para deixar presentes, quando na realidade, quando uma criança nessa época ganham presentes de seus Pais ou de seus padrinhos na tradição católica. Mas na maioria das vezes os próprios pais ignorantes na questão, mentem, isso mesmo, MENTEM!. Falam mentiras aos seus filhos, colocando presentes durante a noite nos presépios, mentindo aos seus filhos, dizendo que foi o Noel que veio quando eles estavam dormindo. Por isso o mito Noel promove a MENTIRA, enquanto que Jesus é a verdade. “Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” (Jo 14:6).
 Esse mito portanto produz vícios de caráter moral na família, mais tarde a criança quando percebe que o Noel ´pe um mito, e que foi enganado, vitima de uma mentira de seus próprios pais, acaba achando que mentir é uma coisa normal, já que numa celebração tão “especial” como o natal que supostamente se celebra o nascimento de Cristo a mentira corre solta nos lares, como se fosse uma coisa normal.
 A uma questão obvia nisso tudo, a injustiça> Já que os Pais pobres não podem dar presentes sofisticados para seus filhos, que geralmente já nascem sendo hipnotizados pelo espírito consumista da mídia, enquanto os pais ricos dão presentes bons para seus filhos, agora veja bem: os pais pobres muitas vezes nem sequer podem dar presentes para seus queridos. O “Noel” que é uma mentira, é lógico, não pode passar por lá...
 Se esse natal fosse celebrado de acordo com o caráter e a santidade de Cristo, é lógico as coisas seriam diferentes, mas como as  influencias do natal são uma mistura de paganismo com romanismo, não era de se esperar muita coisa mesmo!
 O que fazer diante de tudo isso? Infelizmente não se orienta muito os cristãos com relação a esse assunto, então o que resta é tomar o caminho da neutralidade, e reservar a semana em que o mundo celebra o natal, para jejuns, consagração e oração, pelos que são enganados. Peguei pesado não é mesmo? Há muitos cristãos que não gostam de perder as festas de final de ano....


CLAVIO JUVENAL JACINTO